Explorar

Inaugurado em 2008, o Centro de Arte Contemporânea Graça Morais, em Bragança, é um projeto arquitetónico da autoria de Eduardo Souto Moura, prémio Pritzker 2011.

O projeto incidiu sobre a recuperação e ampliação de um antigo edifício do século XVII, o solar dos Sá Vargas, localizado no centro histórico da cidade.

Este Centro de Arte tem como missão sensibilizar e promover o conhecimento da arte contemporânea, nacional e internacional, em geral e a obra da pintora Graça Morais, em particular, através de um programa regular de exposições temporárias.

O CACGM dispõe ainda de uma coleção própria, feita a partir de doações ou de aquisições diretas. A obra da pintora Graça Morais é mais representativa, no entanto integram também a coleção obras de diversos artistas contemporâneos portugueses como: António Dacosta, André Gomes, Gerardo Burmester, Filipe Marques, João Cutileiro, João Francisco, Julião Sarmento, João Louro, João Jacinto, Paula Rego, Pedro Calapez, Pedro Tudela e Silvestre Pestana e estrangeiros, como Dvora Morag, Fernando Sinaga, Jorge Perianes, Magdalena Kleszynska, Santiago Ydáñez, Sebastião Salgado ou Zadok Ben-David. A coleção é constituída ainda por obras de outras coleções em depósito.

Google Arts & Culture

Conheça a exposição multimédia do Centro de Arte Contemporânea Graça Morais na plataforma Google Arts & Culture.

Saiba mais Saiba mais

Exposições em Destaque

A programação do Centro de Arte Contemporânea Graça Morais assenta na apresentação de exposições temporárias.

© Manuel Teles

Exposição Temporária de Ana Vieira, “Uma Antologia”, 2017

© João Krull

Exposição Temporária de Pedro Calapez, “Lameiros”, 2012

© Manuel Teles

Exposição Temporária de Zulmiro de Carvalho, “Escultura e Desenho”, 2013

© Manuel Teles

Exposição Temporária de Graça Morais, “Inquietações”, 2021

© Manuel Teles

Exposição Temporária “Centro de Arte Contemporânea Graça Morais – 10 Anos, A Coleção”, 2018

Arquitetura

O projeto arquitetónico é da autoria do arquiteto Eduardo Souto Moura. O plano incidiu sobre a recuperação e ampliação de um antigo edifício solarengo do século XVII. A infraestrutura é composta por três corpos distintos: o1º, o edifício existente, o Solar dos Veiga Cabral ou antigo Banco de Portugal. A recuperação e adaptação deste edifício permitiu colocar, ao nível do r/c, serviços como a entrada/receção, uma livraria, um bar/cafetaria, bem como outros serviços adjacentes, enquanto o 1º piso, constituído por sete salas, recebe a obra de Graça Morais; o 2º, construído no antigo jardim do solar, funciona como área de ligação entre o solar e o novo edifício, uma área de exposições e de serviços e ainda de jardim e esplanada e o 3º, voltado para a Rua Emídio Navarro, é uma construção de raiz e corresponde principal nave de exposições temporárias. Com entrada principal na rua Abílio Beça, o público tem também acesso ao espaço a partir da rua Emídio Navarro.

© Luís Ferreira Alves

Arquiteto

Eduardo Souto de Moura
© Alfredo Cunha
Eduardo Souto de Moura

Eduardo Souto de Moura nasceu no Porto a 25 de julho de 1952. Estudou na Escola de Belas Artes do Porto, tendo terminado o curso de arquitetura em 1980. Foi autor de inúmeras obras de reabilitação que incidem sobre imóveis de grande valor patrimonial, onde a história e a ruína são matéria prima para a concepção do novo projeto. História e contemporaneidade não se excluem, por vezes justapõem-se, outras misturam-se num objecto novo que carrega em si toda a energia do passado na afirmação do objeto presente.

Se no início da sua carreira se aproxima do minimalismo, tendo como referência Mies Van der Rohe, vem posteriormente a experimentar outros caminhos que exploram formas mais complexas, aproximando-se do seu primeiro mestre Álvaro Siza. Recebeu inúmeros prémios dos quais se destaca o Prémio Pritzker em 2011.

Projetou, entre outros, o Centro de Arte Contemporânea Graça Morais, em Bragança e, em colaboração com Álvaro Siza, a reabilitação do Museu Municipal Abade Pedrosa e a Sede do Museu Internacional de Escultura Contemporânea, em Santo Tirso.

Visitar

Horários

Horário

  • Terça-feira a Domingo 10h00 - 18h30

Encerra à segunda-feira

Tarifário Bilheteira

Bilhetes

  • Geral 2,12€

Descontos

Como Chegar

  • point

    Rua Abílio Beça, nº 105
    5300-011 Bragança

    GPS: 41º 48′ 22” N 6º 45′ 21” W

  • bus

    STUB Linha Vermelha U3 e Linha Verde U1

Acessibilidade

Visitas

Requisitos para grupos

marcação prévia através de email

Loja

Loja/Livraria

© Catarina Vieira
© Luís Ferreira Alves

Cafetaria

Cafetaria/Bar