Alcino Soutinho

Alcino Soutinho (1930-2013), arquiteto com ligação intrínseca à “Escola do Porto”, obteve o seu diploma em 1959, na então Escola Superior de Belas Artes do Porto.
Desde sempre conciliou a prática de projeto com a docência, tendo sido uma figura ativa na construção do debate e divulgação da arquitetura, através da participação em conferências, debates e da publicação de artigos em livros e revistas da especialidade. Exerceu cargos públicos em instituições de relevo, como o Centro Português de Design (1998-2001), a Cooperativa de Atividades Artísticas Árvore (2003-2006) ou a Ordem dos Arquitetos (1999-2002).
Arquiteto com uma profícua prática profissional de aproximadamente cinco décadas, reconhecida e premiada nacional e internacionalmente, sendo testemunhada por um conjunto alargado de obras, de norte a sul do país. Exemplos como o edifício da Biblioteca-Museu Amadeo de Souza Cardoso, Amarante (1977 – Prémio AICA), a recuperação do Castelo de Cerveira (1982 – Prémio “Europa Nostra”), o Museu do Neo-Realismo de Vila Franca de Xira (2001), ou o emblemático edifício dos Paços do Concelho de Matosinhos (1981), ao qual se associou o edifício da nova Biblioteca Florbela Espanca e Galeria Municipal de Matosinhos (2005), atestam o domínio de uma linguagem arquitetónica caracterizada pelo saber técnico, solidez construtiva e uma notável adequação ao lugar e à função.